Por uma formação de base linguística para o/a futuro/a pedagogo/a

uma discussão necessária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55602/rlic.v9i2.258

Palavras-chave:

Professores - Formação, Formação inicial, Alfabetização, Linguística, Pedagogia

Resumo

Este artigo, de cunho ensaístico, propõe reflexões a respeito da presença (ou não) da formação de base linguística dentro dos cursos de Pedagogia, compreendendo que o egresso desta licenciatura é um profissional habilitado para atuar em turmas de alfabetização. Para tanto, recorre a uma fundamentação teórica embasada na concepção de linguagem e aprendizagem como frutos de interação e mediação, assim como propõem Soares (2016, 2020) e outros estudiosos da área, que costumam olhar para a práxis na alfabetização. A partir da observação de grades curriculares de cursos de Pedagogia das práticas de professores/as alfabetizadores/as, buscou-se elencar pontos que seriam imprescindíveis para se (re)pensar os conhecimentos dos/as futuros/as pedagogos/as no que concerne à alfabetização, ancorados neste texto por três afirmações: (i) é preciso compreender que o alfabetizador é um profissional que trabalha com a linguagem; (ii) é preciso distinguir método de concepção; (iii) é preciso ampliar as bases linguísticas da Pedagogia. Tais afirmações nomeiam as seções nas quais este artigo se divide e também fundamentam a construção de uma lista de conhecimentos para futuros/as alfabetizadores/as.

Biografia do Autor

Joseane Matias, Smed Novo Hamburgo

É graduada em Letras pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2002), especialista em Gestão Escolar pela UCB (2004), em Leitura e Produção Textual pela Unilasalle (2008) e mestra em Lingüística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2017). Cursa Doutorado em Linguística Aplicada na mesma universidade, onde faz parte do grupo LID (Linguagem, Interação e Desenvolvimento). 

Driele Fernanda Nery Severo, Smed Novo Hamburgo

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Pelotas(2015) e especialização em Gestão Educacional pela Universidade Federal de Santa Maria(2018). 

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. 3ª versão do parecer: Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a formação inicial e continuada de professores da Educação Básica. Brasília, DF, 18 set. 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2019/124721-texto-referencia-formacao-de-professores/file. Acesso em: 02 dez. 2021.

BRONCKART, J.-P. O agir nos discursos: as concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2008.

FRADE, I. Métodos e metodologias de alfabetização. In: FRADE, I. C. A. S.; VAL, M. G. C.; BREGUNCI, M. G. C. (org.). Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2014. Disponível em: https://www.ceale.fae. ufmg.br/glossario-ceale.html. Acesso em: 02 dez. 2021.

GERALDI, J. W. (org.) O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel: ASSOESTE, 1984.

KLEIMAN, A. B. Preciso “ensinar” o letramento?: não basta ensinar a ler e a escrever? São Paulo: Unicamp, 2005.

MATIAS, J. Letramentos. In: GUIMARÃES, A. M. M.; CARNIN, A. (org.). Formação continuada de professores de língua portuguesa: a importância do coletivo para a ressignificação do trabalho de ensinar. Araraquara: Letraria, 2020.

MORAIS, A. G. Concepções e metodologias de alfabetização: por que é preciso ir além da discussão sobre velhos métodos? Secretaria de Educação Básica, 2006. (Trabalho apresentado no Seminário Alfabetização e Letramento em Debate). Disponível em: http://portal.mec. gov.br/seb/arquivos/pdf/ Ensfund/alf_moarisconcpmetodalf.pdf. Acesso em: 02 dez. 2021.

MORAIS, A. G. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

OLIVEIRA, M. A. Conhecimento linguístico e apropriação do sistema de escrita. Belo. Horizonte: Ceale/FaE/UFMG, 2005. Disponível em: https://www.ceale.fae.ufmg.br/files/uploads/Col.%20Alfabetiza%C3%A7%C3%A3o%20e%20Letramento/Col%20Alf.Let.%2003%20Conhecimento_Linguistico.pdf. Acesso em: 02 dez. 2021.

PICCOLI, L.; CAMINI, P. Práticas pedagógicas em alfabetização: espaço, tempo e corporeidade: eixos Linguísticos da Alfabetização. São Paulo: Edelbra, 2012.

SOARES, M. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

SOARES, M. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Contexto, 2020.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

Downloads

Publicado

07/04/2022

Como Citar

Matias, J., & Severo, D. F. N. (2021). Por uma formação de base linguística para o/a futuro/a pedagogo/a: uma discussão necessária. Revista Acadêmica Licencia&Acturas, 9(2), 23–34. https://doi.org/10.55602/rlic.v9i2.258

Edição

Seção

Artigos